terça-feira, Maio 10, 2005

ENFERMAGEM

12 de Maio, Dia Internacional da Enfermagem

A Enfermagem diferencia-se de todas as ciências humanas e biológicas pelo "olhar atento" que presta à pessoa. Mais do que tratar, a enfermeira preocupa-se em cuidar da pessoa.
A palavra “cuidado” relaciona-se directamente com a atenção. Etiologicamente, cuidado designa estar “atento alguém ou alguma coisa” que se preocupa com o seu bem-estar ou do seu estado, isto é, do seu bom funcionamento. Para mim, cuidar é uma “atenção particular” dada a alguém ou a algo. Segundo Colliére (1999), é um “acto de VIDA, no sentido de que representa uma variedade infinita de actividades que visam manter, sustentar a VIDA e permitir-lhe continuar a reproduzir-se”. Além de mais, torna-se importante cuidar no presente e no futuro na prática de enfermagem não só para atingir a cura, mas essencialmente para promover a saúde.O tratar não pode ser confundido nem assemelhado ao cuidar. Tratar está intimamente ligado ao modelo biomédico perspectivando a pessoa com um eixo cartesiano, subdivide-a em sistemas que se conectam. O modelo biomédico tem como finalidade a cura da pessoa e não a vê na sua globalidade. Enquanto, o cuidar vê a pessoa como um todo - perspectiva holística - dando mais importância ao bem estar da pessoa e aos aspectos subjectivos da sua situação, invés, de atingir apenas, a cura.
Mais importante do que tratar é importante reconhecer a pessoa como um Ser Humano e através disso, olharmos para ela nao de enfermeira - pessoa mas sim, Ser Humano - Ser Humano.
Agradeço-te a ti, Enfermagem, pela pessoa que me tenho tornado. Graças a Ti, posso sentir-me útil e contribuir para a melhoria de alguém.
....................................
COLLIÉRE, M.Françoise (1999). Promover a Vida: Da prática das mulheres de virtude aos cuidados de enfermagem. Lisboa: Sindicato dos Enfermeiros Portugueses. 3º Edição. ISBN: 972-757-109-3

sexta-feira, Maio 06, 2005

ANEMIA

ANEMIA

A razão que me levou a escolher este tema, foi o facto de esta patologia afectar as várias faixas etárias, assim como equitativamente ambos os sexos. É uma patologia que não apresenta uma grande incidência comparativamente a outras.
Além disso é um tema de interesse geral e pessoal e como futura enfermeira, é um problema com o qual irei contactar devendo para isso estar consciencializada e familiarizada com o mesmo.
A anemia é caracterizada por uma redução no número de células sanguíneas circulantes por mm3 na quantidade de hemoglobina, ou no volume eritrocitário por 100 cada ml de sangue.
A anemia ocorre quando o conteúdo de hemoglobina é inferior ao necessário para o atendimento das exigências do corpo para o oxigénio.
Variáveis como o estilo de vida, a altitude da sua residência, a idade e o sexo podem influenciar as concentrações de eritrócitos e hemoglobina. Não é possível afirmar que a anemia existe. Quando a hemoglobina está num nível inferior ao de um valor específico. Se o início de anemia é lento, o corpo pode ajustar-se de modo tão satisfatório. Que não ocorrerá comprometimento funcional, ainda que a hemoglobina possa estar abaixo de 6g/100ml de sangue.
A anemia é uma doença e um sintoma de várias doenças. É classificada com base no volume celular médio (VCM) como: microcítica (<80),>94). Também com base na hemoglobina celular média (HCM): hipocrómica (<27),>32); e com base em factores etiológicos.

Sintomas:

Palidez da pele;
Debilidade;
Vertigem;
Dor de cabeça;
Língua ferida;
Sonolência;
Mal-estar generalizado;
Dispneia (sensação de falta de ar);
Taquicardia (aumento do n.º de batimentos cardíacos);
Palpitação;
Angina de peito;
Distúrbios gastrointestinais;
Amenorreia (ausência de menstruação);
Perda da libido;
Febre incipiente.

Etiologia

A anemia pode resultar de uma perda sanguínea excessiva, de uma destruição excessiva dos eritrócitos ou de uma diminuição na formação dos eritrócitos. A anemia decorrente de uma perda excessiva de sangue resulta de hemorragias agudas ou crónicas. A anemia decorrente de uma destruição excessiva das células sanguíneas ocorre em doenças hemolíticas ou no hiperesplenismo. A anemia decorrente de uma diminuição da formação dos eritrócitos pode resultar de um síndrome defeituoso das nucleoproteínas (por exemplo: na anemia perniciosa e em outras anemias macrocíticas), deficiência de ferro na dieta, inibição da medula óssea (por exemplo: em certos estados tóxicos), perda de medula óssea, ou falência da medula óssea.

Tratamento

O tratamento para a anemia deve ser específico para a sua causa.

Espero que o presente artigo sirva como objecto de consulta, com vista à obtenção de um maior conhecimento acerca desta patologia.
Após a sua leitura, qualquer dúvida que lhe tenha surgido, poderá ser esclarecida. Para isso peço que a coloque no comentário e me deixe o seu e-mail, e se a (o) puder ajudar, responder-lhe-ei logo que me seja possível.
Agradeço o seu comentário acerca deste artigo, podendo ainda dar sugestões acerca de temas do seu interesse que gostaria que abordasse num futuro artigo.

quinta-feira, Maio 05, 2005

Hipertiroidismo

O Sistema Endócrino tem um papel fundamental na homeostasia do organismo. Existem inúmeras glândulas, no entanto, irá ser dado primazia a glândula tiróide e a sua hiperfunção.

A tiróide segrega três hormonas: Tiroxina, Triiodotironina e a Calcitonina. As hormonas tiroideias afectam quase todos os tecidos do organismo, embora, não tenha as mesmas consequências em todos eles. Em alguns tecidos, o principal efeito recai sobre o metabolismo, enquanto que noutros sobre a maturação e crescimento. O ritmo metabólico normal para uma pessoa depende da quantidade da hormona tiroideia, à qual, vai aumentar/ diminuir o ritmo metabólico dos hidratos de carbono, das proteínas e das gorduras.
O ritmo metabólico vai influenciar o aumento ou a diminuição da temperatura corporal, dependendo claro, da libertação das hormonas. Estas são também responsáveis, pela maturação de determinados órgãos e não só como: os ossos, o cabelo, os dentes, o tecido conjuntivo e o tecido nervoso. Outra importante função da hormona tiroideia, é ser um óptimo facilitador da hormona de crescimento (hGH) e se as hormonas tiroideias não estiverem presentes, a hormona de crescimento não produzirá o seu efeito.
O Hipertiroidismo é um distúrbio da glândula tiróide em que há um alto nível circulante de tiroxina. Os sinais e sintomas seguem-se:
  • Aumento da temperatura corporal;
  • Sudorese;
  • Perda de peso, aumento de apetite;
  • Diarreia
  • Alterações do comportamento;
  • Astenia (diminuição da força muscular);
  • Fadiga fácil;
  • Tremor fino das mãos;
  • Pele: quente e húmida;
  • Alterações estéticas: bócio (glândula aumentada e que é visível através de uma proeminência na zona do pescoço);
  • Taquicardia.
O hipertiroidismo não tem cura, no entanto, é possível melhorar a qualidade de vida da pessoa. Essas melhorias podem ser proporcionadas pela alimentação (hipercalórica), pela terapêutica e por um plano de exercícios para a realização das actividades de vida diária.
Não faça da doença uma barreira, procura o seu enfermeiro e aconselhe-se!
.........................................................
NETTINA, S.(2003). Prática de Enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 7º edição.
PHIPPS, W.; SANDS, J. e MAREK, J. (2003). Enfermagem Médico – Cirúrgica: Conceitos e Prática Clínica. Loures: Lusociência. 6º edição.
ROBBINS (2000): Patologia estrutural e funcional; Guanabara Koogan; 6.º edição, Rio de Janeiro – Brasil

segunda-feira, Maio 02, 2005

Pé Diabético

A auto-vigilância no “Pé Diabético”
A razão que me levou a escolher este tema, foi devido ao interesse geral e pessoal devido ao aumento da sua incidência, além disso, como futura enfermeira, e sendo o ensino para a saúde um dos principais papéis do enfermeiro, com o qual me irei contactar devendo para isso estar consciencializada e familiarizada com o mesmo.
O diabético, além do auto-controlo da glicemia, também deve prevenir o aparecimento de gretas e fissuras da pele com alguns cuidados simples.

Prevenir a secura cutânea, a isquemia e a infecção.
Deste modo, o pé diabético está sujeito a muitas precauções: a inspecção, a lavagem, secagem e hidratação dos pés devem ser gestos quotidianos para prevenção de eventuais focos infecciosos. Igualmente o corte das unhas é um factor primordial de prevenção. Devem ser cortadas a direito e com os cantos limados. Assim, qualquer greta ou fissura pode ser evitada. Ter especial atenção com cuidados mais agressivos ou calçado menos adaptado que podem provocar lesões. Sempre que procurar os cuidados de um podologista deve dizer que é diabético.
Espero que o presente artigo sirva como objecto de consulta, com vista à obtenção de um maior conhecimento acerca deste problema.
Após a sua leitura, qualquer dúvida que lhe tenha surgido, poderá ser esclarecida. Para isso peço que a coloque no comentário e me deixe o seu e-mail, e se o (a) puder ajudar, responder-lhe-ei logo que me seja possível.
Agradeço o seu comentário acerca deste artigo, podendo ainda dar sugestões acerca de temas do seu interesse que gostaria que abordasse num futuro artigo.

sexta-feira, Abril 08, 2005

Enfarte Agudo do Miocárdio

É uma lesão irreversível do músculo cardíaco que ocorre após uma oclusão de um ramo da artéria coronária por um trombo ou espasmo arterial prolongado. O miocárdio sofre uma necrose isquémica por falta de aporte nutritivo e sangue oxigenado.
Dá-se a formação de um coágulo nas artérias devido à existência de placas de ateroma no revestimento das paredes dessas artérias, quando esta placa se rompe e se liberta para o sangue aumenta a cumulação de coágulos na placa obstruindo completamente a corrente sanguínea.

Factores de risco:
- Idade -Vida sedentária
- Sexo -Dieta
- Antecedentes familiares - Stress
- diabetes - Obesidade
- Tabagismo -Hipertensão

Sintomas:
- Fraqueza, vertigens, palpitações, tonturas
- Pele fria, pálida, húmida
- Náuseas e vómitos
- Hipo e hipertensão arterial
- Sensação de morte eminente

terça-feira, Abril 05, 2005

Diabetes e exercício físico

Alterações das taxas de açúcar no sangue é o que normalmente se associa ao problema da diabetes. No entanto, esta doença crónica é muito mais do que isso. Responsável pela morte de seis pessoas a cada minuto, a diabetes acompanha-nos no dia-a-dia, muitas vezes sem darmos pela sua presença.
Muitas vezes ignorada, a diabetes é uma doença que pode surgir em qualquer idade. Embora existam, actualmente, tratamentos eficazes que permitem levar uma vida normal, o diagnóstico precoce é a ainda a melhor forma para evitar complicações graves no futuro.

Os factores associados à diabetes:
- pessoas com familiares próximos que sofram de diabetes;
- obesos ou todos os que se deixam engordar, sobretudo na “barriga”;
- pessoas com tensão arterial alta ou níveis elevados de colesterol no sangue;
- mulheres que tiveram diabetes na gravidez ou filhos com peso à nascença igual ou superior a 4 kg;
- doentes com doenças do pâncreas ou doenças endócrinas.

A diabetes tem cura?
Cura não, mas tratamento sim.
O tratamento assenta no triângulo: alimentação, actividade física e medicação adequadas. Qualquer dos três é fundamental.
Nos casos ligeiros de tipo 2, a medicação pode não ser necessária.
O aparecimento da doença (diabetes tipo 1) não se consegue prevenir com o estilo de vida saudável e activo, mas este é importante para ajudar ao seu bom controlo, depois da doença declarada.
A importância do exercício físico.
O exercício físico é tão saudável para o diabético como para qualquer outra pessoa. Desde que regular, os seus efeitos podem ser surpreendentes e incluem tanto, benefícios gerais (aumento do bem-estar físico e mental, acção benéfica sobre o stress, promoção da actividade social, descanso das preocupações habituais, aumento da percepção de competência, melhoria da percepção da imagem do corpo), como benefícios específicos, sendo a actividade física frequentemente associada a uma redução da glucose e a um aumento da sensibilidade dos receptores da insulina, parcialmente pela maior utilização dos glícidos a nível muscular na situação de actividade física e ainda a uma redução da obesidade.

sexta-feira, Março 25, 2005

Tuberculose

24 Março, Dia Mundial da Tuberculose

A tuberculose é causada pelo bacilo Mycobacterium tuberculosis ou "bacilo tuberculoso", o vírus provoca uma inflamação no parênquima pulmonar, mais propriamente, nos alvéolos.
A transmissão por via respiratória é directa, a partir de gotículas de expectoração emitida pelas pessoas infectadas.

Os sintomas são:
  • Tosse com produção expectoração;
  • Febrícula (febre baixa à noite e à tarde);
  • Suores nocturnos;
  • Expectoração hemoptóica (sangue);
  • Anorexia (falta de apetite) e perda de peso;
  • Fadiga;
  • Dor torácica.

A tuberculose é uma doença curável, parte de si intervir!

Não seja mais um caso de tuberculose em Portugal,CUIDE-SE!